sexta-feira, 27 de maio de 2011

Unidade Criança - As crianças e o Trabalho - Plano de aula

Unidade: A CRIANÇA
Tema      : AS CRIANÇAS E O TRABALHO
OBJETIVO
·  Identificar qual o trabalho que a criança desenvolve;
·  Mostrar que algumas crianças trabalham para ajudar os pais;
·  Sensibilizar a criança para trabalhar com amor e boa vontade;
·  Perceber que o trabalho bem feito deixa todos felizes;

CONTEÚDO
Nosso trabalho é aquele que envolve suas obrigações infantis, tais como: arrumar o quarto, estudar, ajudar em casa nas obrigações domésticas. Porém, em algumas famílias as necessidades materiais são demasiadas e até as crianças ajudam com recursos financeiros para a manutenção da casa, com trabalhos remunerados. Qualquer trabalho deve ser feito com muito amor, para que todos fiquem felizes.

TÉCNICAS
RECURSOS
Atividade Expositiva
Vídeo da historinha “A formiguinha e a cigarra”
Cartaz com atividades profissionais e o trabalho da criança em casa
Atividade Criativa
Cartolina para livrinho da historinha da formiguinha; desenhos da historinha; desenhos de profissões para ligar; desenhos para pintar; musica da formiguinha, papel de seda verde e vermelha

            DESENVOLVIMENTO
Prece/passe
Atividade Expositiva: Mostrar a historinha ou vídeo da formiguinha (disnponivel no youtube). Fazer perguntas rápidas sobre a historinha.
Atividade criativa: montar livrinho da historinha. Enquanto a criança vai desenhando o evangelizador deve falar sobre a importância do trabalho, da responsabilidade, ressaltando que enquanto crianças, as responsabilidades são com os estudos e auxilio nas tarefas domesticas, como por exemplo arrumar os pertences pessoais.
Atividade criativa:  distribuir figuras com profissões para eles pintarem, e ligarem. Neste momento cada evangelizador deve Apos exibição falar do trabalho infantil, informando que devemos ajudar os pais. Perguntar para cada criança o que ela pretende ser quando crescer. Falar sobre a importância de todas as profissões. fazer flores de dobraduras
música Cantar a musica da formiguinha
Atividade de harmonização (música clássica e meditação)
Prece, passe e água fluidificada


A Formiguinha 
-
A formiguinha corta folha e Carrega
Quando uma deixa, a outra leva
Oh! que mistério glorioso: 
A formiguinha ensinando 
O preguiçoso. (2x)

               Deus não quer preguiçoso 

Em sua obra (2x)

Por que se não o tempo sobra! (2x)













quarta-feira, 11 de maio de 2011

Unidade Criança - As crianças e a escola - plano de aula

Planos de aula - Tratamento Espiritual Infantil

Unidade: A CRIANÇA
Tema      :AS CRIANÇAS E A ESCOLA                                                                                           
                                                                                                              
Ficha de Planejamento
OBJETIVO
·         Reconhecer a escola como lugar importante;
·         Citar assuntos que aprendemos na escola;
·         Identificar atitudes de bons alunos
CONTEÚDO
A escola é lugar especial onde temos muitos amigos e aprendemos coisas importantes para nossa vida, como ler, escrever, somar e dividir. Devemos agradecer a Deus a oportunidade de estudar e nos esforçamos para sermos bons alunos
TÉCNICAS
RECURSOS
Atividade Expositiva
Montar historinha com personagens
Atividade Criativa
Criação de fantoches de papel



DESENVOLVIMENTO

Atividade
Passe
Atividade de harmonização (Relaxamento em colchonetes)
higienização das mãos e Café
Música para harmonização/Prece
Atividade Expositiva: mostrar a figura de uma escola em um cartaz. Perguntar se eles sabem o que é aquele desenho. Dizer que cada uma criará fantoches de personagens que tem numa escola que elas frequentam.
Atividade criativa:Cada criança fará fantoches de papel dos personagens que escolher.
Atividade Expositiva: cada criança apresentará seu personagem para os demais do grupo. Após a exposição de cada um fazer uma pequena explanação da importância da escola.
Atividade criativa: Fazer dobraduras da escola e pintá-las, pintar a caixinha de coração  e colar.
música ( A Força)
Atividade de harmonização (música clássica e meditação)
Prece, passe e água fluidificada



BIBLIOGRAFIA

 
ANEXOS

Música:

A força

A força é o movimento
 Que dá maior desenvolvimento
            
Mas quando os pequeninos
         
Dedicam-se ao estudo oh! maninhos
 
Devem marchar, correr, brincar,

Depois disso tudo, devem repousar (BIS)

Volvamos nossos braços assim

Olhando o espaço sem fim
     
Mas quando os pequeninos
        
Dedicam-se ao estudo, oh! maninhos
 
Devem marchar, correr, brincar,

      Depois disso tudo, devem repousar (BIS)

video






















segunda-feira, 9 de maio de 2011

Considerações sobre a infância (8)


Diante de tal comportamento, o que fazer para auxiliar esses seres em dificuldades?
Não se pode pensar em transformar essas crianças sofredoras em pessoas felizes, mas sim torná-las mais bem-aventuradas. O Evangelho de Jesus, por meio dos ensinamentos espíritas, fornecem recursos que nos orientam como proceder na reparação redentora dessas criaturas.
Os mecanismos disponibilizados para intervenção especializada externa visando aliviar os sintomas intensivos que comprometem a lucidez da criança e dos seres a elas vinculadas são: Grupos de Harmonização Infantil, Grupos de Apoio aos Pais de Crianças Assistidas, Passe, Enfermaria de Emergência, Atendimento Mediúnico, e Entrevista Individualiza.  

“17 Respondeu-lhe um dentre a multidão: Mestre, eu te trouxe meu filho, que tem um espírito mudo; 18 e este, onde quer que o apanha, convulsiona-o, de modo que ele espuma, range os dentes, e vai definhando; e eu pedi aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam. 19 Ao que Jesus lhes respondeu: ó geração incrédula! até quando estarei convosco? até quando vos hei de suportar? Trazei-mo. 20 Então lho trouxeram; e quando ele viu a Jesus, o espírito imediatamente o convulsionou; e o endemoninhado, caindo por terra, revolvia-se espumando. 21 E perguntou Jesus ao pai dele: Há quanto tempo sucede-lhe isto? Respondeu ele: Desde a infância; 22 e muitas vezes o tem lançado no fogo, e na água, para o destruir; mas se podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos. 23 Ao que lhe disse Jesus: Se podes!-tudo é possível ao que crê. 24 Imediatamente o pai do menino, clamando, disse: Creio! Ajuda a minha incredulidade. 25 E Jesus, vendo que a multidão, correndo, se aglomerava, repreendeu o espírito imundo, dizendo: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e nunca mais entres nele. 26 E ele, gritando, e agitando-o muito, saiu; e ficou o menino como morto, de modo que a maior parte dizia: Morreu. 27 Mas Jesus, tomando-o pela mão, o ergueu; e ele ficou em pé. 28 E quando entrou em casa, seus discípulos lhe perguntaram à parte: Por que não pudemos nós expulsá-lo? 29 Respondeu-lhes: Esta casta não sai de modo algum, salvo à força de oração e jejum.”
(“Novo Testamento”, Marcus Cap.9 vers. 17 a 29)

“Diante, pois, deles — possessos e possessores — só a oração do amor infatigável e o jejum das paixões conseguem mitigar a sede em que se entredevoram, entregando-os aos trabalhadores da Obra de Nosso Pai, que em toda parte estão cooperando com o Amor, incessantemente.
Se amardes ao revés de detestardes, se desejardes socorrer e não apenas os expulsardes, tudo fareis, pois que tudo quanto eu faço podeis fazê-lo, e muito mais, se o quiserdes”
(“Primícias do Reino”, pelo espírito de Amélia Rodrigues, pscografia de Divaldo Franco)

“O trabalho de desobsessão se iniciou, pois, com Jesus, indicando o Excelso Amigo todo o processo terapêutico a ser empregado dali por diante. A lição ficaria ecoando pelos tempos a fora, ensinando aos homens que somente através da prece e da reforma íntima con¬seguiriam a libertação para os graves padecimentos das obsessões.
Depois de longo espaço de tempo, enquanto os homens se esqueceram, deturparam ou abafaram os ditos e feitos do Senhor, perseguindo os obsidiados, os médiuns, enfim, todos os que apresentassem dons mediúnicos ou psíquicos, considerados à época diabólicos, veio o Espiritismo (...) reavivar a luz das lições do Cristo, retirando-a de sob o alqueire das fantasias, que ocultava a Verdade, de acordo com as conveniências e as circunstâncias do poder temporal. Assim, estamos dando continuidade àquele trabalho bendito que as luminosas mãos de Jesus iniciaram.”
(Suely Caldas Schubert, Obsessão e Desobssessão, “Tratamento das Obsessões”)

“Recorre aos recursos espíritas: ora, e ora sempre, para adquirires resistência contra o mal que infelizmente ainda reside em nós; permuta conversação enobrecida, pois que as boas palavras (...) renovam as disposições espirituais; utiliza o recurso do passe socorrista, rearticulando as forças em desalinho (...) sorve um vaso de água fluidificada, restaurando a harmonia das células em desajustamento e, sobretudo, realiza o bom serviço.”
(Florações Evangélicas, Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, capítulo 51.)    

 “Os espíritos só podem aspirar à felicidade perfeita quando são puros; qualquer falha que tenham cometido lhes impede a entrada nos mundos felizes. São como os passageiros de um navio atingidos pela peste, aos quais é proibido desembarcar em uma cidade até que se tenham descontaminado. É nas suas diversas existências corporais que os espíritos se libertam, pouco a pouco, das suas imperfeições.”
(Kardec, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo,Cap. V item 10)


“(...) É, pois, indispensável que o obsidiado faça, por sua parte, o que se torne
necessário para destruir em si mesmo a causa da atração dos maus Espíritos.” (Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, questão 479)

“Nos casos de obsessão grave, o obsidiado fica como que envolto e impregnado de um fluido pernicioso, que neutraliza a ação dos fluidos salutares e o repele.
É daquele fluido que importa desembaraça-lo. Ora, um fluido mau não pode ser eliminado por outro igualmente mau. Por meio de ação idêntica à do médium curador, nos casos de enfermidades, preciso se faz expelir um fluido mau com o auxílio de um fluido melhor”. Eis os trabalhos de passes ou os denominados de “Fluidoterapia”, que têm essa ação mecânica...
“Nem sempre, porém, basta esta ação mecânica; cumpre, sobretudo, atuar sobre o ser inteligente, ao qual é preciso se possua o direito de falar com autoridade, que, entretanto, falece a quem não tenha superioridade moral. Quanto maior esta for, tanto maior também será aquela”
(Kardec, Allan. Gênese Cap. XIV, item 46)

“Em todos os casos de obsessão, a prece é o mais poderoso meio de que se
dispõe para demover de seus propósitos maléficos o obsessor”.
(Kardec, Allan. Gênese – Cap. XIV – 46)

“Orar em benefício dos nossos irmãos que passam por provações e que nos solicitam preces é um dever de solidariedade e amor.”
(Obsessão e Desobssessão – Suely Caldas Schubert, “O valor da prece”)

“Crianças obsidiadas suscitam em nós os mais profundos sentimentos de solidariedade e comiseração. Tal como acontece ante as demais enfermidades que atormentam as crianças, também sentimos ímpetos de protegê-las e aliviá-las, desejando mesmo que nada as fizesse sofrer. Pequeninos seres que se nos apresentam torturados, inquietos, padecentes de enfermidades impossíveis de serem diagnosticadas, cujo choro aflito ou nervoso nos condói e impele à prece imediata em seu benefício, são muita vez obsidiados de berço. Outros se apresentam sumamente irrequietos, irritados desde que abrem os olhos para o mundo carnal. Ao crescer, apresentar-se-ão como crianças-problemas, que a Psicologia em vão procura entender e explicar.”
(Suely Caldas Schubert, Obsessão e Desobssessão, “Criança Obsidiada”)

“Na psicopatologia das personalidades múltiplas ou anômalas, não podemos descartar a realidade espiritual do próprio paciente.(...) A criança é mais que um ser em formação. Trata-se de um universo  individualizado, um somatório de valores que aos pais e educadores cabe penetrar para o bem desenvolver e conduzir. Somente o amor possui os ingredientes de correção destes equipamentos do inconsciente, geradores dos distúrbios alienadores da pessoa.
  (Manoel Philomeno de Miranda, Antologia Espiritual)

“A psicoterapia dos passes, da renovação moral do paciente e do esclarecimento da personalidade  subjugadora conseguem liberar a vítima...”     
  (Manoel Philomeno de Miranda - Antologia Espiritual)

“A obsessão é parasitose profunda e grave, que deve ser atendida globalmente, arrancando-se-lhe as raízes perigosas, que repontam com mais vigor se não extirpadas através da conquista plena do adversário em perturbação”.
“No caso de crianças obsessas – insisti, ampliando o curso de estudo – como proceder, já que as mesmas não dispõem de discernimento ou outro qualquer recurso defensivo ?
“O amigo, gentilmente, considerou : Não desconhecemos que a obsessão na infância tem caráter expiatório como efeito de ações danosas de curso mais grave. Não obstante, os recursos terapêuticos ministrados ao adulto serão aplicados ao enfermo infantil com mais intensa contribuição de passes e da água fluidificada – bioenergia – bem como proteção amorosa e paciente, usando a oração e a doutrinação indireta ao agente agressor – psicoterapia – por fim, através do atendimento desobsessivo mediante o concurso psicofônico, quando seja possível atrair o hóspede à comunicação mediúnica de conversação direta.”
 (Trilhas da Libertação – pag. 27 – Manoel P. de Miranda, psicografia de Divaldo P. Franco)

“Crianças que padecem obsessões devem ser tratadas em nossas instituições espíritas através do passe e da água fluidificada, e é imprescindível que lhes dispensemos muita atenção e amor, a fim de que se sintam confiantes e seguras em nosso meio.(...)Fundamental, nesses casos, a orientação espírita aos pais, para que entendam melhor a dificuldade que experimentam, tendo assim mais condições de ajudar o filho e a si próprios, visto que são, provavelmente, os cúmplices ou desafetos do pretérito, agora reunidos em provações redentoras. Devem ser instruídos no sentido de que façam o Culto do Evangelho no Lar, favorecendo o ambiente em que vivem com os eflúvios do Alto, que nunca falta àquele que recorre à Misericórdia do Pai.”
(Obsessão e Desobssessão – Suely Caldas Schubert, “Criança Obsidiada”)

“Vinculados os Espíritos no agrupamento familial pelas necessidades da evolução em reajustamentos recíprocos, no problema da obsessão, os que acompanham o paciente estão fortemente ligados ao fator predisponente, caso não hajam sido os responsáveis pelo insucesso do passado, agora convocados à cooperação no ajustamento das contas.”
(Grilhões Partidos – Manoel P. de Miranda, psicografia de Divaldo P. Franco)

“A visão do Espiritismo em relação à criança obsidiada é holística, pois que não a dissocia, na sua forma atual, do adulto de ontem quando contraiu o débito. Ensina que infantil é somente o corpo, já que o Espírito possui uma diferente idade cronológica, nada correspondente à da matéria. Além disso, propõe que se cuide não só da saúde imediata, mas sobretudo da disposição para toda uma existência saudável, que proporcionará uma reencarnação vitoriosa, o que equivale dizer, rica de experiências iluminativas e libertadoras.”
“Adimos a terapia do amor dos pais e demais familiares, igualmente envolvidos no drama que afeta a criança.”
(Trilhas da Libertação – pag. 27 – Manoel P. de Miranda, psicografia de Divaldo P. Franco)

Feed de Artigos do Blog - Doutrina Espírita

Perguntas - respostas para o e-mail solicitado